Olá, fico feliz quando você vem aqui.

Desenvolvo este blog para que as colegas possam aproveitar as atividades aqui contidas na sua prática pedagógica diária. Muitas são de minha autoria, outras tantas retirei no Grupo Professores Solidários, Internet e de outras fontes.

Atualmente, aproveito ótimas atividades que colegas postam no grupo "Educando e Aprendendo" que fundei juntamente com Flávia Cárias e Sheila Mendes, para ser mais um veículo de comunicação para quem se dedica à importante Arte de Educar.

Se alguém encontrar algo que seja seu, deixe um recadinho que faço questão de lhe atribuir os devidos créditos.

Beijão da Tia Paula

domingo, 22 de maio de 2011

CHAPEUZINHO VERMELHO CRESCEU - Nilce Ferreira



Chapeuzinho Vermelho cresceu. Continuavam chamando-a de Chapeuzinho Vermelho, no entanto, agora,usava capuz de todas as cores: amarelo, verde, azul, laranja tinha até um cor-de-rosa com bolinhas brancas. Obrigava sua mãe a comprar um novo todas as vezes que iam às compras, pois fazia coleção deles. Mas seu preferido mesmo ainda era aquele vermelho, presente de sua querida e amada vovozinha.
Sua vida era muito boa. Pela manhã, ia à escola, à tarde, ouvia música, lia livros, ajudava a mãe nos pequenos afazeres domésticos, como alimentar as galinhas e molhar as plantas.
Nos últimos dias estava mais feliz ainda, pois ganhara de presente de aniversário uma moto. Claro que não era uma moto daquelas grandes e bem equipadas, era uma moto simples, mas veloz. Chapeuzinho usava-a para ir à cidade, pois morava ainda no meio da floresta e a estrada era de terra ainda.
Sua mãe pensou que seria mais seguro a filha ir de moto para escola. Além de chegar mãos rápido, não ficaria se distraindo pelo caminho colhendo flores e pedrinhas nem conversando com estranhos.
A cada dia  que passava,Chapeuzinho ficava mais craque na moto. Pela manhã, saia com seu capacete, é claro sobre o capuz de couro preto. Passava horas divertindo-se passeando pela floresta. Como toda garota, tinha um espírito aventureiro e era muito esperta e corajosa.
Certa tarde, a mãe pediu-lhe para ir à casa de sua querida vovozinha, que estava um pouco resfriada, levando um bolo de chocolate e suco de laranja. Rapidamente, Chapeuzinho pegou o capacete e a cesta, ligou a moto e partiu. Nem ouviu quando a mãe gritou:
- Cuidado com a estrada, vai devagar!
Logo Chapeuzinho estava no caminho que levava à casa da sua avó.Ia feliz, apreciando a paisagem e pegando um vento gostoso no rosto. De repente!...
Vocês sabem que qualquer moto, para funcionar, precisa de combustível, pois sem ele as motos não andam. Felizmente, isso não acontece de uma hora pra outra. No painel há um relógio que nos avisa quando é preciso reabastecer. Mas, às vezes, uma moto pode perder velocidade e para inesperadamente, porque seu dono, bastante distraído esqueceu-se de verificar o combustível.
E foi exatamente isso que aconteceu naquela tarde ensolarada. No meio da floresta, a caminho da casa da vovozinha, a moto de Chapeuzinho parou, sem mais nem menos, à beira de um lago e , o que o pior, sem nenhum posto de gasolina por perto.
Quando Chapezinho estava chutando sua moto, tentando em vão ligá-la, estacionou a seu lado uma grande moto Harley Davidson, toda preta, fazendo um barulho muito alto: rum rum rum... Lá estava o Lobo Mau sentando, dirigindo-a . Virou-se em direção a Chapeuzinho e perguntou:
- Aonde você está indo,linda menina?
- À casa da minha querida vovozinha - respondeu Chapeuzinho, rapidamente, sem muita paciência. Por quê?
O Lobo Mau, querendo conquistar a menina e fazendo-se de bonzinho, ofereceu ajuda.
-Eu posso tentar consertá-la, menina. Mas ,antes.me diga, onde é que mora sua querida vovozinha?
Chapeuzinho parou, a cara vermelha de raiva, e disse:
- Você é o Lobo Mau, não é? Você está cansado de saber onde mora minha avó! Vou falar pela última vez, heim! Fica atrás daquele morro, é toda branca, com portas e janelas amarelas.
Dizendo isso, Chapeuzinho deu a moto para o Lobo. Enquanto ele estava distraído olhando a moto, a menina teve uma grande idéia. Aproveitou o momento de descontração do lobo, deu um pulo em cima da Harley Davidson e saiu dirigindo-a em disparada pela floresta.
Vou pegar você! - gritou o lobo furioso.
Naquela tarde, Chapeuzinho chegou primeiro na casa da vovó. Foi entrando, encontro-a como sempre, deitada em sua cama e falou:
- Levante dessa cama. Vamos nos esconder, o Lobo Mau deve chegar logo.
Chapeuzinho, rapidamente, ligou para o zoológico pedindo socorro. As duas pegaram vassouras e esconderam-se dentro do armário.
Logo depois, o lobo chegou, cansado e bufando de tanto correr e de barriga vazia, morrendo de fome. Não bateu à porta, arrebentou-a de um sopro só e partiu em direção à cama da velhinha.
Chapeuzinho Vermelho, muito esperta, havia colocado algumas almofadas embaixo das cobertas, para enganar o lobo.
Quando o lobo se jogou na cama, as duas partiram para cima dele, cada uma com sua vassoura e, com o cabo começaram a bater-lhe na cabeça com toda a força.
Quando os homens do zoológico chegaram, Chapeuzinho e a vovó já estavam quase matando o lobo de tantas vassouradas. Ele, chorando, caiu no chão, pedindo para ser levado para o zoológico.
- Eu só queria devolver a moto ia dizendo baixinho o lobo, morrendo de dor de cabeça.
Dizem que até hoje o lobo está muito bem obrigado, vivendo no zoológico e não quer ouvir falar de Chapeuzinho Vermelho.
Aliás , ele virou vegetariano!

Nenhum comentário:

Postar um comentário