Olá, fico feliz quando você vem aqui.

Desenvolvo este blog para que as colegas possam aproveitar as atividades aqui contidas na sua prática pedagógica diária. Muitas são de minha autoria, outras tantas retirei no Grupo Professores Solidários, Internet e de outras fontes.

Atualmente, aproveito ótimas atividades que colegas postam no grupo "Educando e Aprendendo" que fundei juntamente com Flávia Cárias e Sheila Mendes, para ser mais um veículo de comunicação para quem se dedica à importante Arte de Educar.

Se alguém encontrar algo que seja seu, deixe um recadinho que faço questão de lhe atribuir os devidos créditos.

Beijão da Tia Paula

sábado, 12 de fevereiro de 2011

O Bailado - Poesias - Hardy Guedes Alcoforado Filho

O BAILADO
Primeiros movimentos
Hardy Guedes Alcoforado Filho
A FLOR E O VENTO
Num vai-e-vem
ritmado,
a flor realiza
o movimento
de um bailado
orquestrado
pelo vento.
Parece a cada
compasso
que a flor vive
indecisa.
Não sabe se abraça
a terra,
não sabe se voa
com a brisa.
BARCO A VELA
No vai-e-vem,
no balanço das ondas,
as velas,
brancas, belas,
se abrem aos ventos.
Os seus movimentos,
leves,
lentos,
ritmados,
ora cedendo ao vento,
ora cedendo ao mar,
confundem minha visão.
Parece partir
quando ficam,
parecem ficar
quando vão.
O SOL
Manhãzinha,
trás do monte,
já se avista
o equilibrista
sobre a linha
do horizonte.
Fim do dia,
tardezinha,
fatigado de andar
na corda bamba,
descambe
desfalecido
no mar.
DESTINO
De um lado está
a pipa,
de outro lado,
o menino,
ligados por um só fio,
atados a um só
destino,
que para ambos reserva
o mesmo papel:
bailarino.
Enquanto a pipa
dança,
dança, também,
o menino.
AMARELINHA
Saltitando
de um jeitinho delicado,
balançando
a trancinha
de cabelo cor de trigo
e sorriso
iluminado,
a menina
com cuidado
vai pulando
amarelinha,
olhando chão
rabiscado
para não pisar
na linha.
O RIACHO
A cada curva
o riacho
vai requebrando faceiro,
às vezes lento,
bolero,
às vezes samba,
ligeiro,
ou salta alegre nas pedras,
puladinho,
chá-chá-chá,
enquanto passa cantando
chuá-chuá-chuá.
A BORBOLETA
A borboleta
bole lenta
as suas asas,
suas antenas.
Sobre a flor
pousa atenta,
repousa
e se alimenta.
Se encanta
e encanta
com seus tons,
seus azuis.
Depois, levanta
o seu vôo,
envolta
num raio de luz.
O GATO DENGOSO
O gato dengoso
se encolhe,
se enrosca,
se estica,
se lambe,
se lava,
se arrisca
num pulo,
num salto
felino.
O gato dengoso,
ladino,
depressinha
escapa
pro alto
do muro,
levando
na boca
a sardinha
O BALÃO
Com o coração
ardendo,
vai se elevando,
sereno,
um balão colorido.
Atrás de si deixa
um rastro.
Depois
já mudado
em astro,
eu o dou
por perdido.
Foi conversar
com estrelas,
foi bater papo
com a Lua.
Esse balão que flutua,
ainda,
no meu verso,
deve agora estar
valsando
nos salões
do Universo.
CORAÇÃO APAIXONADO
Quem souber
que me responda,
sem demora, sem cuidado:
em que compasso
dança
um coração apaixonado?
O meu,
por exemplo,
tem horas
que quer saltar
boca afora
e sair
por aí
em disparada,
numa emoção
incontida,
desmedida,
maldosada.
Às vezes,
o coração
faz a maior batucada.
JOGO DE BOLA
Nas mãos do menino,
a bola
girando, girando,
é o mundo.
Nas mãos de Deus,
o mundo
girando, girando,
é a bola.
Será o menino
Deus?
Será Deus
um menino?
ARCO-ÍRIS
Onde será
que se escondia
esse bailado de cores
que antes
não existia?
E esse Pintor,
invisível,
que acho graça,
com arte,
colore o céu
pra mostrar
que a luz
se reparte?
CASCATA
A cascata
não passa
de um riacho
que passa o dia
brincando
de escorregar
morro abaixo.
O COLIBRI
Às vezes,
eu fico parado,
voando no pensamento.
Por isso é que eu entendo,
mais que isso,
compreendo,
o colibri,
esse bailarino
pequeno
que voa
sem sair do lugar,
dançando
parado no ar,
ruflando as asas ligeiras,
ligeiro,
sereno.
Às vezes,
eu fico voando,
parado no pensamento.
A CHUVA
A chuva
sobre o telhado,
executa,
gota a gota,
um leve
sapateado:
plict-plict
macio,
plict-ploc
molhado.
PASSARINHO
Um breve vôo,
um pulinho,
do ninho pro galho,
do galho pro ninho.
Um leve bater de asas,
assim
dança o passarinho,
ao som da flauta doce,
da doce sinfonia
que ele mesmo compõe,
que ele mesmo assovia.
O PIÃO
O pião
no chão
na ponta do pé
veloz
rodopia.
O pião
bailarino
pro o olhar do menino
é encanto,
é magia.

2 comentários:

  1. Lindo!
    Sabe onde consigo ouvir estas músicas?
    Procurei no youtube e não achei.

    ResponderExcluir
  2. Josy, não se trata de músicas, mas de poemas.

    ResponderExcluir